O tempo


Oi pessoal, o tempo não para... Escrevi esta crônica quando fiz quarenta e um anos. Se eu estava me sentindo velha? Claro que não!!!

Beijo!
  
 


Envelhecer nos traz rugas, falta de memória, excesso de peso, algumas doenças e outras inconveniências. Em contrapartida nos traz sabedoria e ter sabedoria faz com que nos sintamos um pouco donos do mundo. Faz com que sintamos pressa, muita pressa...
Quando completei quarenta anos, e isso não faz muito tempo, tocou um alarme dentro de mim e me dei conta de que precisava fazer o que não fiz, dizer o que não disse, aprender o que não aprendi, ensinar o que não ensinei.
Quando criança me imaginava aos quarenta, uma velha senhora de cabelos grisalhos e agulhas de tricô nas mãos. Ledo engano, ainda sou jovem, me sinto uma criança, ainda que por dentro. Estou inquieta, inquisitiva, ávida de realizar, cheia de planos.
Cirurgias plásticas podem regredir o tempo por fora, na embalagem, mas não o nosso aprendizado, nossas experiências. Felizmente ainda não existem cirurgias estéticas para apagar nossa história, nosso passado.
Tenho pressa, muita pressa, preciso urgentemente dar o abraço que não dei, o conselho amigo que calei, os beijos que evitei, os sorrisos que guardei...Tenho pressa de aprender, pressa de saber. 
A vida passa num breve instante, como num flash. Observo minha filha a brincar no tapete da sala e tenho a impressão de que minha infância foi há minutos atrás. Sento-me a seu lado e percebo que somos o passado e o futuro de mãos dadas.
Lá fora, o tempo, inimigo implacável, bate a minha porta, não vou abrir, não vou deixá-lo entrar, estou ocupada, tenho pressa de viver...

                                       

3 comentários:

  1. Gostei bastante, me identifiquei com a sua crônica.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir